Pasto e soja

 

– Querendo dizer – disse Maiara, apontando para o mapa – que esses reinos são todos uma fachada. Estão conjuminados.

– Estão em guerra, você quer dizer – disse o italiano. Tocou por um instante a ilha no centro do mapa, depois fez com que o dedo deslizasse do sul para o noroeste. – A Residência em Vazília jurou proteger os índios e outros guardiões da Muralha, mas é há trinta anos que o Império Gaúcho está invadindo e dilapidando a Muralha com a conivência da União.

– Que ninguém faz nada só comprova o que eu estou dizendo – disse Maiara, que estava nua para disfarçar o fato de que estava usando Continue lendo →

Raízes

 

A sala da fazenda era emoldurada por dois quadros enormes: um mostrava a versão gaúcha do mapa da União, o outro o imperador Gerdau bebendo chimarrão de uma cuia que tinha o formato do mapa.

De dentro entrou Esmalte Heinz, deputado, homem loiríssimo e latifundiário, pulando para terminar de calçar uma bota de cano longo. De fora, escoltado por seguranças que ocuparam imediatamente todas as portas, o marechal Dos Santos, secretário de Estado dos negócios do Império.

– Estava de saída, deputado? – disse o marechal, estendendo ao fazendeiro uma mão enluvada.

– Sim, bom dia – Heinz terminou de calçar a bota e devolveu Continue lendo →

Riodomar

 

O serestanejo Riodomar via qualquer assentamento de mais de 100 pessoas como um dragão que era preciso desbaratar e retalhar e espalhar mundo afora, na esperança que os pedaços pudessem recuperar alguma humanidade. Quando desceu na rodoviária e pisou o Sacrocondomínio de São Paulo, ao mesmo tempo testemunhava e lia sua própria história da descida aos infernos. Não Enéas, não Lampião: Riodomar. Era porém cravo temperado pelo Serestão: não ignorava que os infernos atraem com graça irresistível tudo que é humano, por isso devem ser entrados com a maior reverência. Não era à toa que andava descalço.

Esperava por Continue lendo →

Jogo de pernada

 

– Uma alternativa que não te falei ainda – o italiano disse a Maiara – são relíquias. Temos que falar de relicários.

– Relicários – disse a índia, mas só para anular o ruído pelo método fogo contra fogo. Ela afastou o celular do ouvido. – Não adianta, o Simas não está atendendo o telefone. E agora acabaram os meus créditos.

– Então?

Maiara, que não tinha interesse maior do que saltar as partes da narrativa que não faziam a história avançar, estava irritadíssima. Olhou ao redor. Estavam na praia do Leme, na esperança que o tiroteio não os seguisse em lugar tão público.

– Não saia daqui – ela apontou Continue lendo →

Liminar

 

Minona Martins, em pé na soleira da porta, era um homem rechonchudo de camiseta, chinelo e calça pescador; era também um índio de cocar de penas, e apoiava o braço sobre o tacape como se fosse uma bengala.

– Você não faz ideia – ele disse ao jornalista dentro da casa, – o que é lutar por dez anos contra hordas invasoras quando as regras dizem que você pode morrer mas não pode matar. O seu direito de pedir justiça termina onde começa o direito do Império de te exterminar.

Estavam em território ocupado pelo Império Gaúcho no Mato Grosso do Sul, fronteira com o Paraguai. Lá fora as fogueiras de pneu perfuravam a Continue lendo →

Solidariedade

 

– Ela tem razão – disse Caio Gonçaço, enrubescendo um pouco, e deslizou a mão sobre o mapa estendido no quadro-negro. – A Muralha amazônica você pode pensar como uma enorme, enorme biblioteca. Toda planta e todo animal, todo índio e todo ribeirinho é um volume dessa biblioteca, com o detalhe que cada livro está repleto de referências a todos os outros e só pode ser adequadamente lido e apreciado dentro desse sistema de alusões, descontinuidades e remetências. Se pegar isoladamente uma bromélia ou um índio você vai ter ainda uma obra prima, um livro formidável, mas vai perder as referências cruzadas a todos Continue lendo →

Episódio 7:
Fortuna e glória

 

– Em pé no alto da construção, Miro Valhacouto perscruta a paisagem, erguendo o olhar da esplanada estéril até a selva circundante. Valhacouto pode ser o mais prestigiado especialista em desarmamento de hidrelétricas da União, mas está sempre pronto para recordar as suas origens.

– Toma – disse Genésio Casabranca, empurrando a caixa de metal pelo concreto até tocar a perna do outro.

– Nascido num quilombo do Catupiry, filho de um índio gaúcho com uma fazendeira do Xingu, Miro começa de baixo, desarmando mata-burros na fazenda do doutor Clory. Nos anos 90 ganha prestígio no Serestão desarmando argumentos de candidatos Continue lendo →


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas adverte: comamos e bebamos, porque amanhã estaremos offline