O purgatório é aqui • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 01 de junho de 2005

O purgatório é aqui

Aos cristãos, que são tecnicamente interditados de acreditar na reencarnação (“é dado aos homens morrer uma única vez”, diz o Novo Testamento), restou sempre brincar com as possibilidades da pré-encarnação – a exata natureza da alma antes da existência.

Os teólogos já queimaram muitos neurônios tentando imaginar o que Deus fazia antes de criar o universo. Mais pessoal seria perguntar o que você fazia antes que sua mãe desse à luz a você – mas igualmente problemático responder sem recair numa heresia ou duas.

Há basicamente duas teorias: a primeira sustenta que todas as almas humanas foram criadas num passado remoto por Deus, que retira itens desse banco de almas (sou tentado a dizer “bacia”) para implantar em cada ser humano que nasce. A segunda defende que as almas são criadas segundo a demanda, em regime just-in-time, no exato momento em que o espermatozóide vencedor adentra em triunfo os átrios do óvulo, fecundando-o – ou talvez algumas semanas depois.

Segundo a lógica exigente das teologias, ambas as teorias são problemáticas. Se as almas não existem desde sempre, argumentam alguns, como Deus pode ter predestinado alguns? Como pode Jesus ter morrido por uma alma que tecnicamente não existia?

Para contornar essas heresias inventaram-se desde cedo heresias novas. Um dos primeiros bastiões da idéia da preexistência das almas foi Orígenes(185-254 d.C.), de resto um sujeito muito sensato.

Orígenes não se limitou a propor que as almas foram criadas numa única fornada antes que a primeira delas encarnasse em Adão. Ele também sustentava que as almas preexistentes possuíam consciência e livre-arbítrio – e que, nesse imponderável período antes da história, todas acabaram de alguma forma caindo e rebelando-se contra Deus. As almas que pegaram leve viraram anjos; as que pecaram de modo moderadamente grave encarnaram em corpos humanos, e as almas realmente perversas e toscas viraram demônios.

Segundo essa interessante teoria, nossas desventuras terrenas são reflexo de um karma que trazemos de uma preexistência desencarnada anterior. Se sofremos aqui é porque pisamos seriamente na bola do lado de lá. Ali se faz, aqui se paga.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas adverte: desta vida tudo se leva