A minha fábula é a verdade • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 28 de julho de 2007

A minha fábula é a verdade

Estocado em Goiabas Roubadas

Minha vida é a história do auto-descobrimento do inconsciente. Tudo no inconsciente busca manifestação exterior, e a personalidade deseja também evoluir do seu estado inconsciente e experimentar a si mesma de forma integral. Não tenho como empregar a linguagem científica para traçar esse processo de crescimento interior, pois não tenho como experimentar a mim mesmo como um problema científico.

O mito expressa a vida de forma mais precisa do que a ciência.

O que somos na nossa visão interior, e aquilo que o homem é sub specie aeternitatis, só pode ser expresso através do mito. O mito é mais individual e expressa a vida de forma mais precisa do que a ciência.

Foi por isso que empreendi, aos oitenta e três anos de idade, contar meu mito pessoal. Posso apenas fazer declarações indiretas, “contar histórias”. A questão não é se essas histórias são ou não “verdadeiras”. A única coisa que importa é se narram a minha fábula, a minha verdade.

Carl G. Jung, Memories, Dreams, Reflections

Leia também:
Mito e metáfora
Joseph Campbell e o monomito

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é filiada ao Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais